Como o selo de D&B Hospital Records se tornou um pilar de ‘Forza’!

Nós conversamos com o co-fundador da gravadora Chris Goss, que diz sobre como o DNB, usando Forza consegue chegar mais profundamente a América, sobre a arte de criar música para jogos, e por que Hospital Records continua avançando nessa linha!



Quando se trata de dance music, não há nada mais britânico do que drum and bass.


Originário de armazéns sombrios em Bristol e Londres, sua explosão violenta de breakbeats e basslines de revirar o estômago pavimentou o caminho para raves lendárias, o movimento de êxtase e, sem dúvida, a própria cultura rave. 30 anos depois, é um gênero que teimosamente se recusa a morrer.


Apesar de raramente se infiltrar no mainstream obcecado por House Music, seu ritmo elevado ainda envia milhares de ravers à uma frenesi absoluta. No entanto, fora de UK, o gênero não recebe o amor que tanto merece. Ou não até o lançamento do jogo de corrida do Xbox, Forza Horizon 2.


Contra todas as probabilidades, a Label de drum and bass com sede em Londres Hospital Records encontrou-se um campeão improvável - a empresa multibilionária Microsoft.


Formando uma aliança profana para Forza Horizon 2 de 2014, desde que Hospital Records é uma das quatro estações de rádio permanentes da série de corridas. Com Forza Horizon 5 sendo homenageado como um dos nossos melhores jogos de 2021 (e seus sucessos de drum & bass ainda ricocheteando implacavelmente em nossa cabeça), sentamos com o cofundador do selo Chris Goss e conversamos sobre D&B, a arte de criar música para jogos , e por que os registros do hospital teimosamente continuam no game.


Tudo começou em 2014. À medida que o breve período de lua de mel do drum and bass com o mainstream se desvaneceu com a popularidade de Wilkinson e Pendulum, o mesmo aconteceu com o apetite do ouvinte por comprar CDs.


Com o Spotify pagando uma ninharia e apenas os bassheads obstinados comprando vinil, a Hospital Records estava em apuros. Felizmente, Goss logo recebeu um telefonema que mudaria seu rótulo para sempre.


Recebi um telefonema de um amigo meu de longa data, Kyle Hopkins. Ele é um DJ de drum and bass chamado Kid Hops e um colecionador de música super experiente que encontrou seu caminho para a equipe sênior de música no Xbox.


Quando Forza começou a decolar”, continua Goss, “eles precisavam de música para as estações de rádio do jogo. Hops meio que fez essa ideia flutuar além de nós e nós pulamos nela. Apenas o argumento de venda e a perspectiva desse projeto, foi realmente emocionante.


Então, o Hospital X Forza nasceu graças a um raver escondido entre as fileiras da Microsoft.


Inicialmente, o show era simples - Hospital ofereceria à Microsoft um monte de faixas lançadas anteriormente para Forza Horizon 2. No entanto, como a série Horizon cresceu em popularidade, o Xbox não queria mais ritmos reciclados - eles precisavam de batidas personalizadas. Felizmente atendendo à chamada, desde o Forza Horizon 3 de 2016, Hospital Records contribuiu não apenas com uma trilha sonora original para cada entrada da série, mas também com um programa de rádio totalmente roteirizado. Como um dos apresentadores de rádio do jogo, a voz de Goss se tornou uma parte regular da Horizon - tornando a Hospital uma parte integrante do que fez Forza.


No entanto, para Goss, a colaboração foi mais do que apenas uma ótima oportunidade de negócios: foi uma maneira de espalhar o evangelho obscuro de D&B na América.


Acho que é justo dizer que jogos como este alimentam categoricamente essa energia e crescimento na cena D&B na América. Eu sempre digo para as pessoas na América do Norte que é difícil para a maioria de nós imaginar como é tentar costurar uma cena musical em basicamente 52 países. Porque você tem que voar para qualquer lugar OU dirigir por um dia para fazer como uma terça à noite em Phoenix. Então, sim, projetos gigantescos como este se alimentam categoricamente dessa energia e crescimento na cena D&B por lá.


Ainda assim, Goss não tem ilusões de que drum and bass esteja ameaçando dominar o mainstream dos Estados Unidos. “Está sempre acontecendo em ondas. A cada poucos anos, pode haver outra injeção de energia, outra nova onda. Quando o EDM explodiu na América do Norte, isso era tudo para o baixo - para música 4/4, dubstep e, até certo ponto, drum and bass. O fato é que temos sorte que esta cena musical underground seja global. É povoado por talentos incríveis em todos os níveis de todo o mundo. E a América do Norte absolutamente faz sua parte.


Enquanto os CDs de compilação mais vendidos da Hospital Records já haviam morrido há muito tempo com o disco de plástico, em Forza, Goss repentinamente se viu com um novo tipo de compilação de gravadora.


As compilações sempre foram parte integrante da construção do rótulo. Eles são um trampolim e uma vitrine realmente importante para apresentarmos - ou mesmo testarmos - artistas emergentes. O mundo do streaming mudou tudo isso - mas agora, Forza Horizon é aquele projeto de compilação de vitrine. que outras gravadoras não tiveram a sorte de ter!


Para os artistas emergentes que fazem parte da tracklist do Forza Horizon 5, o efeito pode mudar sua vida. Veja o produtor de drum and bass e co-apresentador de rádio Forza Horizon 5 de Goss, Degs, por exemplo. Falando conosco algumas semanas após o lançamento do jogo, ele explica que a inclusão de sua faixa ‘Unwritten’ já teve um grande impacto em sua popularidade.


Desde que o jogo foi lançado, tenho um agente americano e estou tentando organizar minha primeira turnê na América, que espero ser em junho de 2022”, explica um sorridente Degs. “Muito disso veio na parte de trás do jogo. Apenas estar presente em um título tão grande como Forza é muito, muito benéfico, especialmente nos Estados Unidos, onde drum and bass não é tão grande, mas está sendo mantido vivo por jogos como Forza. Tem sido uma experiência muito positiva para todos. Eu me sinto muito grato.



É um sentimento compartilhado por outro produtor que participa do jogo, Hugh Hardie.

É ótimo, cara”, diz Hardie orgulhoso. “Minha faixa era essa música que não combinava muito com o EP em que eu estava trabalhando na época, mas agora ela tem um lar neste jogo. Forza é um meio muito bom para ouvir músicas, apenas lhes dá um novo significado e energia. Eu tenho alguns amigos no Canadá e eles jogam muito. É muito legal estar envolvido em um jogo de grande alcance.


Com NDA à altura de seus olhos, Goss e seus colegas conhecem o cenário de Forza Horizon muito à frente do tempo e usam isso para ajudar a inspirar a trilha sonora. “O projeto consiste, na verdade, em 20 faixas inéditas, exclusivas e inéditas”, explica Goss. “Estilisticamente, escolher essas músicas é um desafio fascinante. O local naturalmente terá alguma influência sobre alguns dos conteúdos musicais que oferecemos. Então, é claro, estar no México é muito, muito específico. Tendo Urban Dawn [artista de D&B] no Brasil, ele pode muito naturalmente entregar um pouco dessa herança e um pouco desse sabor.


Além disso, colocar música no Forza é uma arte particular, porque a música não toca muito alto”, continua Goss. “Há uma grande quantidade de ruído no jogo: desde eu e Degs conversando besteiras, até o design de som dos carros e da paisagem. Portanto, é importante que os produtores entendam isso e se sintam com o jogo por meia hora. [Eles] precisam entender que talvez um tipo de melodia subby muito mínimo e profundo provavelmente não vai funcionar.


Depois que as músicas são selecionadas, colocá-las no jogo é uma maratona, não uma corrida. Enquanto Goss e seus colegas estão acostumados a passar meses guiando um artista desde a criação até o lançamento do álbum, colocar suas faixas em um videogame finalizado e jogável é um esforço muito mais longo. “Relacionando-se com o Xbox e Playground Games ... É um processo bastante detalhado e lento. Playground Games é uma equipe enorme e está realmente focada em programar o jogo. A coisa toda provavelmente leva cerca de dois anos, desde o telefonema inicial de ‘ei, pessoal, vocês estão prontos para fazer outro jogo’ até o envio de e-mails para nós.


Hospedar a série de rádio no jogo desde Forza Horizon 3 tem sido um destaque particular para Goss: “É uma nova camada de produção e absurdo. Como gravadora, nunca quisemos nos levar muito a sério e Degs e eu nos divertimos muito. Você obtém páginas e mais páginas de scripts e nunca fiz nada parecido antes. Acho que é uma versão modesta de fazer a narração de Toy Story ou algo assim. Eles nos deixaram improvisar e improvisar um pouco, mas é um jogo de três pontos positivos. Portanto, você também deve estar extremamente atento aos seus P's e Q's - sem palavrões. Não, referências impertinentes ou algo assim, mas foi muito divertido fazer isso.



Agora, o jogo acabou e os fãs estão gostando de correr para a estação do Hospital há semanas. “É realmente muito bom finalmente estar no ponto de, está fora, está disponível”, diz Goss com um sorriso. “Porque às vezes, nesses projetos realmente grandes, você pensa,‘ ugh, vamos conseguir terminar isso ’. Fazemos isso há 25 anos, então estamos muito confortáveis ​​com nossos próprios processos como uma gravadora independente, mas quando você está entregando para uma das maiores corporações globais do mundo e todas as suas equipes, você sente uma grande responsabilidade para acertar. Nos sentimos realmente privilegiados por trabalhar com o Xbox e repetir o projeto com este jogo brilhante.


O que será que a Hospital Records e a Microsoft tem para os proximos anos e edições. Esta é uma oportunidade unica em que a Hospital realmente está fazendo um trabalho excelente.


Bora jogar um Froza?