Novo aplicativo móvel do Beatport e o impacto no mundo da música com o LINK!

Na última série de entrevistas com especialistas em tecnologia da música, o pessoal da Songstats conversou com Laren Agius, chefe de produto do Beatport, para obter informações sobre o novo e poderoso aplicativo móvel do Beatport e o impacto do Beatport LINK.


Q: Qual foi sua inspiração para desenvolver um aplicativo móvel Beatport?


Laren: O Beatport sempre foi focado no desktop, no entanto, hoje em dia os DJs estão em movimento mais do que nunca, mesmo durante a pandemia, por isso exploramos a oportunidade de desenvolver uma experiência móvel focada em ajudar os DJs a procurar música enquanto o movimento. Construído na plataforma LINK, o aplicativo móvel Beatport permite que os DJs descubram músicas e preparem listas de reprodução enquanto viajam para o próximo show, quando se deslocam para o trabalho ou onde quer que haja uma conexão com a Internet.


Quando entrei no Beatport em 2019, começamos a focar no desenvolvimento do Beatport LINK como uma plataforma, construindo o caminho para o Connected DJ Booth. O aplicativo móvel está um passo mais próximo de nossa visão. Os usuários não estão apenas preparando um carrinho de compras - você também está preparando uma lista de reprodução que pode ser executada em qualquer uma das soluções LINK Connected DJ, como Traktor, rekordbox e até mesmo os Denon DJ Players executando o Engine OS.


Imagine que você é um DJ que está a caminho de um show e está a uma hora de táxi do aeroporto. Você pode procurar músicas com eficiência ou talvez organizar suas listas de reprodução até o último minuto antes de se apresentar sem ter que abrir seu laptop e baixar faixas em uma unidade USB. Ao projetar a experiência do usuário, consideramos todos os casos de uso para ajudar a facilitar a vida dos DJs.



Q: É um aplicativo muito legal com uma marca e identidade totalmente novas. Quanto tempo levou para construir tudo isso?


Laren: Em termos realistas, desde quando começamos a desenvolver o aplicativo móvel iOS até publicá-lo, levou mais ou menos cerca de sete meses. Assim que finalizamos o aplicativo para iOS, começamos a trabalhar na versão para Android que lançaremos em fevereiro de 2022.


Uma coisa a ter em mente, porém, é que a construção para chegar a esse ponto foi praticamente nos últimos três anos com o lançamento do LINK. Durante esse período, construímos e ajustamos a tecnologia subjacente, garantindo que possamos oferecer uma solução confiável e robusta.


Estamos planejando lançar uma atualização a cada trimestre, e o feedback do usuário desempenha um papel importante à medida que introduzimos novas funcionalidades de forma incremental. A última grande atualização foi a introdução do 'My Beatport', que é um dos recursos mais procurados por nossos usuários.


P: Como foi a resposta até agora e qual foi a solicitação de recurso mais comum?


Laren: Em geral, o feedback foi muito positivo, no entanto, antecipamos essa frustração dos usuários do Beatport que não possuem uma assinatura nos perguntando “Ei, e nós?”


A razão por trás disso foi devido à incompatibilidade do sistema legado, no entanto, estamos trabalhando em uma solução que permitirá que todos os clientes usem o aplicativo móvel por volta do segundo trimestre de 2022.


Q: Quando você fala sobre 'My Beatport', você quer dizer que você pode seguir um artista ou gravadora para ver suas faixas, quase como um feed de atividades?


Laren: Exatamente. Este é provavelmente um dos recursos mais importantes e faz parte do ecossistema Beatport desde o seu início. Por mais de 17 anos, os usuários do 'My Beatport', incluindo eu, seguem artistas e gravadoras, tornando-se uma parte importante da descoberta musical.


Além do My Beatport, os usuários estão solicitando recursos de facilidade de uso, como compatibilidade com Chromecast ou Airplay e recursos de mixagem automática, os mesmos que temos no aplicativo Beatport DJ. Então, isso é algo que vamos apresentar ao longo do ano.


Q: Existe um plano para eventualmente ter o LINK como substituto do Spotify para os fãs de música eletrônica, tendo seu catálogo completo acessível via LINK?


Laren: Essa é uma pergunta muito boa. Como você sabe, o Beatport sempre foi para DJs, como fonte de música. No entanto, estamos recebendo feedback de que até mesmo os fãs de música eletrônica querem ouvir nossas playlists selecionadas. Então isso é algo que vamos avaliar dependendo do feedback que recebemos. Mas não vemos o Beatport mobile ou o LINK se tornando um substituto do Spotify, pois nossa visão está focada em estabelecer as bases para os DJs no futuro.


Q: O LINK como produto está se expandindo muito e nos últimos dois anos você preparou toda a base. Agora você se integra a mais de oito plataformas de software de DJ diferentes, lançou seu próprio aplicativo Beatport DJ e agora também o aplicativo móvel. O que resta para você e como você planeja expandir além do que já é tão abrangente?


Laren: Quando você olha para a jornada de um produto, e isso é algo que eu defendo, você cresce com base no feedback do usuário. Os últimos três anos foram focados em conectar o LINK a todos os softwares de DJ. Continuaremos nos integrando com outros parceiros à medida que avançamos, garantindo que os DJs tenham acesso à música que importa, independentemente de onde você está começando.


O que vem a seguir com o LINK - é uma pergunta muito aberta, então há muitas oportunidades. Estamos trabalhando em estreita colaboração com nossos parceiros e a indústria para encontrar soluções para melhorar os relatórios de desempenho para as Performance Rights Organizations (PROs). Vamos usar este exemplo: um DJ está tocando no Tresor em Berlim. Assim que o set for finalizado, a tracklist baseada no histórico fica imediatamente disponível e pronta para ser enviada. Uma de nossas missões é tornar isso uma realidade.


Acho que esse sempre foi o maior desafio na cena da música eletrônica. Quando os DJs se apresentam, terminam seu set e a tracklist raramente é enviada, os royalties da performance se perdem no éter. Portanto, o artista que criou a faixa não está recebendo reconhecimento ou pagamento de performances.


Q: Haverá gráficos Hype no aplicativo móvel e os clientes Hype poderão ter sua própria página de descoberta?


Laren: Isso é algo que temos em nosso roteiro. As faixas Hype estão disponíveis no aplicativo móvel e no ecossistema LINK, no entanto, não são apresentadas como na loja Beatport. Estamos cientes dessa lacuna em nosso portfólio de produtos e estamos trabalhando ativamente na introdução de espaços dedicados para rótulos Hype, tornando mais fácil para os usuários encontrarem seu conteúdo favorito em todo o ecossistema.


Q: O que mais te excita nas coisas em que você está trabalhando no Beatport?


Laren: O que me entusiasma em fazer parte do Grupo Beatport é a cultura da equipe e o contato com a comunidade. Não importa se o DJ é iniciante ou profissional. Estamos constantemente coletando feedback e nossa equipe está comprometida em moldar o futuro da cultura DJ e da comunidade de suporte. O que estamos fazendo no Beatport é garantir que estamos definindo um futuro escalável para nossa comunidade.


Q: Haverá uma tecnologia no aplicativo móvel que funcionará quase como Shazam para música eletrônica, permitindo que você descubra faixas no Beatport imediatamente?


Laren: Certamente é uma possibilidade, então estamos pensando nisso também. Há muitas oportunidades entre nós e o seeqnc, e estamos explorando todas as opções. Ter uma identificação de faixa que funcione para DJs em seu aplicativo móvel será ouro. Como DJ, você está em um clube a maior parte do tempo e, “Uau, esta é uma faixa matadora, eu não sei o que é”. 99,9% das vezes o Shazam não o reconhece porque o som está muito alto, o microfone fica distorcido, então há muita coisa em jogo. Queremos apresentar algo projetado para operar em um ambiente de clube.


Em essência, nosso objetivo é fazer do Beatport LINK um dos padrões na cabine do DJ. Acho que esta é a próxima evolução natural no DJing. Passamos do vinil para o CD, para o USB, e agora há a próxima iteração em que qualquer usuário do LINK terá acesso a toda a coleção e listas de reprodução do Beatport com relatórios em tempo real, sabendo que os artistas e gravadoras estão recebendo royalties por cada faixa tocada . Queremos garantir que a comunidade possa crescer com nosso produto, em vez de nos ver como concorrentes ou uma redução de receita.


Eaí o que você acha? Será que o LINK vai ter espaço no meio de tantas plataformas? Será que esse serviço novo da Beatport pode vingar? Conte para nós!


Fontes: Songstats, Beatport